17 nov, 2016

Naquele dia de 1955, em que Rosa Parks recusou ceder o seu assento no autocarro a um homem branco, a população negra dos Estados Unidos abraçou a necessária igualdade racial. O valente gesto desta humilde costureira de Montgomery (Alabama), somado ao de Claudette Colvin meses atrás, foi um ponto de viragem na defesa dos direitos civis da comunidade afro-americana em plena época segregacionista. Uma ação pacífica que nos demonstrou, uma vez mais, o poder da revolução sem a necessidade de alçar as armas.

Muitas são as mulheres que, ao longo da história, têm iniciado a sua própria revolução. Desde um autocarro, como Parks ou Colvin, desde as telas, como Frida Kahlo, desde o laboratório como Marie Curie ou, mais recentemente, desde as salas e os blogs, como Malala Yousafzai. Todas elas, e muitas outras, são exemplo da memória perdida nos livros escolares, uma amnésia histórica que afecta um único género.

Com este pensamento em mente, a ilustradora Isabel Ruiz Ruiz começou a dar forma em 2015 ao primeiro volume de Mulheres: um álbum-ideário ilustrado que recolhe “grandes pensamentos de grandes mulheres”. Nas suas páginas, ilustradas pelas mãos desta artista, encontramos 18 mulheres que têm marcado a história em diferentes âmbitos. Além destas belas ilustrações, podemos também ler célebres citações, alguns traços da vida de cada uma e os seus feitos de maior importância. Mulheres pretende ser um ponto de partida que convide a continuar a pesquisar e descobrir mais sobre estas notáveis precursoras.

CONTINUAR A LER ESTA NOTÍCIA EM:
https://elpais.com/elpais/2016/11/03/mujeres/1478186519_481722.html/

%d bloggers like this: