A escultora portuguesa vai dialogar com a obra de Lina Bo Bardi, numa exposição que se estenderá à Casa de Vidro, que tal como o MASP foi projectado pela arquitecta italo-brasileira.

Num ano em que apresenta uma programação centrada nas mulheres, o Museu de Arte de São Paulo (MASP) vai comissariar em Dezembro uma exposição dedicada a Leonor Antunes. O zoom à escultora portuguesa, que é também o nome que Portugal levará em Maio à Bienal de Arte de Veneza, está incluído num programa de seis mostras monográficas em que museu junta nomes históricos como a arquitecta Lina Bo Bardi, que desenhou o próprio MASP, como Tarsila do Amaral e Djanira da Motta e Silva, duas visões muito diferentes do modernismo brasileiro.

Com curadoria de Amanda Carneiro, a exposição de Leonor Antunes será realizada em parceria com o Instituto Bardi, sendo exibida no MASP e na Casa de Vidro, outro projecto de Lina Bo Bardi. Contactada pelo PÚBLICO, Leonor Antunes, que irá em breve ao Brasil, disse que a exposição ainda não tem título.

O ano de 2019 do MASP organiza-se à volta do eixo curatorial Histórias das Mulheres, Histórias Feministas, estando prevista uma mostra colectiva internacional com o mesmo título, com curadoria de Isabella Rjeille, Mariana Leme e Lilia Schwarcz, que exibirá obras produzidas entre o século XVI e a actualidade. Nos anos anteriores, o museu apresentou Histórias da Sexualidade(2017) e Histórias Afro-Atlânticas (2018), tendo a última exposição atingindo o recorde de visitantes da actual direcção de Adriano Pedrosa.

“Muitos esforços têm sido empreendidos desde o final do século XIX para afirmar a importância das mulheres artistas e de suas obras, como a fundação, em Paris, da Union des femmes peintres et sculpteurs  em 1881 e, mais recentemente, o surgimento do movimento #MeToo, contra o assédio sexual, em Hollywood”, escreve o MASP em comunicado de imprensa, acrescentando que a programação do museu tem como objectivo questionar os valores de género dentro da história da arte.

Fonte: Público link